Tecendo a manhã


Este é um dos poemas mais belos e sublimes que já li. Nele, João Cabral de Melo Neto deve ter dado o sangue para compor algo tão indescritível.
Sem delongas. Segue abaixo a maravilha.
Paz e amor a todos.


João Cabral de Melo Neto
Tecendo a Manhã


1

Um galo sozinho não tece uma manhã:
ele precisará sempre de outros galos.
De um que apanhe esse grito que ele
e o lance a outro; de um outro galo
que apanhe o grito de um galo antes
e o lance a outro; e de outros galos
que com muitos outros galos se cruzem
os fios de sol de seus gritos de galo,
para que a manhã, desde uma teia tênue,
se vá tecendo, entre todos os galos.

2

E se encorpando em tela, entre todos,
se erguendo tenda, onde entrem todos,
se entretendendo para todos, no toldo
(a manhã) que plana livre de armação.
A manhã, toldo de um tecido tão aéreo
que, tecido, se eleva por si: luz balão.

Comentários

Grazi disse…
Ao Lê,
inspirado e inspirador!

Não tem nada mais doce do que ouvir que uma pessoa querida assitiu um filme e lembrou de você...são essas pequenas coisas que, pelo menos pra mim, vão dando sentido à vida!
"Marcelino Pão e Vinho" eu assisti pela primeira vez na minha infância, e por diversas outras vezes, sempre com a mesma emoção, sempre tendo que conter as lágrimas, sempre compeendendo um pouquinho mais do que eu penso e sinto sobre o Deus Amor, Amigo e ouso dizer, Esposo da alma!
Ontem comecei a ler "Pensar é Transgredir". Agora só falta entrar em férias pra vida parecer perfeita!!!!
Um abração apertado
Rob Seixas disse…
Que legal! Só o fato de ler esse maravilhoso poema, mas faz recordar das coisas belas que existem, e como é gostoso a gente trabalhar com aquilo que a gente gosta. Bela escolha a sua. adoro Cabral.. Tô com saudades de vc, meu amigo! Continue blogando mais... Falô!
Grazi disse…
oi lê,
quanta saudade...
bacchi

Postagens mais visitadas deste blog

Antes de você chegar

Responsabilidade

Welcome to life